Sem roupa: ‘Fotona’ de nu artístico reúne 115 pessoas no Museu da República de Brasília

0
1040

Do G1

Debaixo de um céu sem nuvens em uma praça ampla de cimento e concreto, havia corpos nus. Sem roupa e sem pudor, 115 homens e mulheres compuseram a cenografia da Praça do Museu da República, no coração de Brasília, na manhã deste sábado (2).
A intervenção no espaço urbano foi registrada pelo olhar do fotógrafo Kazuo Okubo, que carrega 43 anos de experiência por trás das lentes.

Do alto de um guindaste a 20 metros de altura, o fotógrafo, munido de um alto falante, coordenou os participantes para formar desenhos. Um drone também registrou a intervenção.
A “fotona”, assim chamada pelos idealizadores, ocorreu a céu aberto na região de maior concentração de ternos e gravatas de Brasília como forma de protesto à “caretice e ao conservadorismo da cidade” e para “reafirmar os corpos enquanto ferramenta de manifestação artística, cultural e política”.

Segundo o idealizador da foto-protesto, Diego Ponce de Leon, a ideia de fazer um nu coletivo e registrar o momento surgiu da vontade de “contrariar o panorama retrógrado e careta da cidade opressora que não abarca a arte”.
O projeto da “fotona” ganhou força quando o artista paranaense Maikon Kempinski foi detido pela Polícia Militar do DF, em 15 de julho, justamente enquanto fazia uma performance nu no mesmo local.
“Estava cansado dessa ideia de que em Brasília ninguém se esbarra, onde o conservadorismo toma conta”, disse na abertura do evento. “O grande problema [na apresentação do Maikon] era só um corpo nu.”
‘Fotona’
O fotógrafo Kazuo Okubo recepcionou os participantes emocionado e agradeceu a presença de todos. “Eu nem consegui dormir direito ontem. Esperava umas 50 pessoas. É legal isso ter mobilizado tanta gente”, disse.
“É uma oportunidade de mostrar a arte na nossa vida.”

Em seguida, o desapego começou. No auditório do Museu da República, todos começaram a tirar as roupas, nos próprios assentos. Risos, conversa, descontração. Nenhum olhar assustado, de medo, de repressão. Liberdade de expressão.
Já do lado de fora, em frente à rampa do museu, o fotógrafo Kazuo Okubo posicionou os participantes em formato de mandala cujo centro era o artista Maikon K.
Em seguida, todos se deitaram na rampa, de barriga para cima. Com canetas, escreveram frases no corpo e se organizaram em retângulos, como um quebra-cabeça.
Pessoas nuas fazem formato de mandala e artista Maikon K. se posiciona no centro em frente ao Museu Nacional da República em Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here